Prefeitura contempla 145 organizações com Selo da Diversidade Étnico-Racial

0
0
0
s2sdefault

A Secretaria da Reparação (Semur) promoveu, nesta quarta-feira (12), a cerimônia anual de outorga do Selo da Diversidade Étnico-Racial. O reconhecimento é voltado a organizações públicas, privadas e da sociedade civil que executam ações de promoção de equidade racial nas políticas de gestão de pessoas e marketing dentro dos ambientes de trabalho. Neste ano, 145 organizações foram certificadas nas categorias Reconhecimento e Compromisso. O encontro aconteceu no Hotel Mercure, no Rio Vermelho, e contou com a presença da titular da Semur, Ivete Sacramento, além de empresários, diretores e representantes de empresas instaladas na capital baiana.

Ao obter a certificação, as instituições e empresas contempladas assumem o compromisso de fazer um censo étnico-racial e desenvolver ações de combate ao racismo no ambiente de trabalho. A concessão do selo é renovada anualmente e, para se garantir entre os premiados, os participantes devem atender a diversos critérios pré-estabelecidos por um Comitê Gestor. Na categoria Reconhecimento, entre as empresas certificadas estão Associação Baiana dos Deficientes Físicos (ABADEF) e o Restaurante Alaide do Feijão, por exemplo. Na categoria Compromisso figuram empresas como a Dow Brasil e Mc Donald's.

No discurso de abertura da solenidade de outorga, Ivete Sacramento pontuou que o Selo da Diversidade Étnico-Racial vai além de uma diplomação. “Ou temos esse compromisso de combater o racismo ou vamos ter apenas um papel colado na parede. Todos os dias morrem jovens negros por falta de oportunidades positivas. Uma juventude que acaba sendo cooptada para fazerem atos negativos. Há muitos talentos nas comunidades que precisam ser aproveitados. É necessário colorir e espelhar os 82% da população negra de Salvador dentro de todas as instâncias das empresas”, destacou.

A cerimônia do Selo da Diversidade Étnico-Racial contou ainda com palestras da diretora de Diversidade da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH), Jorgete Leite Lemos. Ela revelou a trajetória da associação junto às empresas do país quanto à discussão de políticas de igualdade no seio corporativo. “As pessoas têm que se apoderar da questão, conhecer os seus preconceitos, sem medo de falar sobre eles. E as empresas têm que apresentar um ambiente que permita essa disponibilidade, revendo suas atitudes e comportamentos. Isso tem que partir de cima, dos cargos de liderança, dos executivos, da diretoria”, enfatizou.

Na ocasião, o fundador e diretor-executivo da Thinketnus, empresa de pesquisa que estuda comportamento, linguagens e tendências, Fernando Montenegro, explicou o panorama do consumo da população negra no Brasil. “As variáveis raça e etnia influenciam direta e indiretamente na tomada de decisões dos consumidores. A população negra tem poder de influência dentro de todos os tecidos sociais, na cultura. As empresas têm perdido dinheiro por isso e por não considerar os negros como agentes e atores dentro desse cenário”, afirmou.

 

Sensibilização - Criado em 2007 pela Semur, o Selo da Diversidade faz parte do Planejamento Estratégico da Prefeitura desde 2013. Representa uma política pública de sensibilização das organizações para valoração da diversidade étnico-racial. As empresas podem ser certificadas nas categorias Compromisso e Reconhecimento.

Na primeira, as instituições se comprometem a cumprir diretrizes voltadas para a promoção da Diversidade Étnico-Racial, além de entregarem o Diagnóstico Censitário e o Plano de Trabalho. Para tanto, é necessário o preenchimento e envio dos documentos abaixo. A categoria Reconhecimento se trata de uma honraria concedida pelo Comitê Gestor a micro e pequenas empresas, em geral familiar, cujo proprietário e/ou administrador sejam negros e que possuam no mínimo cinco funcionários, sendo, na sua maioria, negros, além de entidades sem fins lucrativos que lutem pela valorização da diversidade.

Fonte: SECOM

0
0
0
s2sdefault